Feeds:
Artigos
Comentários

Decidi confiar!

Hoje acordei um pouco desanimada mas, ao chegar no trabalho e depois de algumas pesquisas na internet, recebi uma Palavra de Deus que me deixou muito animada e renovou as minhas forças no que diz respeito a planos e projetos futuros para a minha vida.

Desde muito cedo, logo na infância, tenho sonhos de avisos que nunca tive a menor dúvida que venham da parte de Deus. Aconteceu novamente no início desta semana, e neste sonho em especial pude ver que as dificuldades que venho passando há alguns meses têm um ponto em especial, e agora tudo faz sentido. Nele pude ver o ódio que uma pessoa está nutrindo por mim, e sim, se não temos Deus conosco esse tipo de mal nos afeta. Como estive um tanto desanimada, fraca espiritualmente, acabei deixando de fazer coisas que antes faziam parte da minha rotina, como por exemplo oração diária, leitura da Palavra, ministração e, principalmente, o hábito de frequentar aos cultos. E sabemos bem que, para uma pessoa que serve a Deus, a comunhão com os irmãos é algo essencial, e nos ajuda a aproximar de Cristo. Todos estes fatores me deixaram um tanto “debilitada” e, aliados com o ódio que tem me cercado e “orações contrárias” de pessoas que querem o meu mal, imediatamente maus pensamentos passaram a rondar minha mente, acusações de Satanás, pensamentos de fracasso e perda. Decidi que era hora de “voltar ao caminho”, embora não o tivesse deixado, mas me apegar com firmeza à Deus, como antigamente. Fui ao culto no domingo e me senti renovada novamente. Tirei um bom tempo para ler as cartas de Paulo, pois as suas cartas me enchem de inspiração e força. Hoje, durante as pesquisas que mencionei, me deparei com uma frase muito interessante. A saber:

Resolvi que esta é hora de DECISÃO. E por assim dizer, me lembrei imediatamente de um louvor que amo, e que toca muito ao meu coração. Muitas vezes trouxe à Igreja palavras de incentivo e, em seguida, louvei esta canção. É um poema de entrega total a Deus, pois quando resolvemos entregar a  Ele o nosso fardo, tudo fica muito mais fácil:

A vida é cheia de perguntas que eu não posso responder
Há tantas coisas que acontecem que nem sempre entendo o porque
Sentimentos de temores sobre mim
Aflições que mais parecem não ter fim
Surpresas de um caminho que ainda não trilhei

No meio dessa tempestade pude então ouvir a Tua voz
Que veio como uma brisa sussurrando em meu coração
Acalmando minhas dores, emoções
Dissipando tempestades, furacões,
Escolhi descansar em Ti!

De uma coisa eu sei, decidi confiar, o invisível por certo se revelará
Então verei o que Deus preparou para mim
Nem olhos viram, ouvidos ouviram,
Nem homem nenhum conseguiu decifrar
O que Deus faz na vida de um justo que em oração clama ao Pai!

E assim será. Este é um novo tempo de Deus para a minha vida. Coisas novas e maiores estão por vir! O que Ele me prometeu, com certeza irá se cumprir. E eu sei bem que, Aquele que está em mim é maior do que o que está no mundo (1 João 4:4), e que o meu Redentor vive e eu O louvarei!

Graça e Paz,

KAREN

Tirei umas “férias” do blog e da minha vida. É que baguncei tudo.
Agora estou em um período de reorganização. Tô colocando minha vida em caixinhas e distribuindo pelo armário, todas etiquetadas. O que não presta está indo pro lixo; ou já foram.

Estive revendo alguns conceitos, e cheguei a conclusão de que preciso recomeçar. Tem uma música que, há tempos, não escuto. Na verdade, ainda me lembro de cor. Chama-se RECOMEÇAR. E é disso que eu preciso.

Tem gente pendurada no meu sentimento, e preciso pedir perdão por tudo o que fiz e não deveria. Outras, preciso perdoar, ainda que estas vivam mil anos e não me peçam perdão. A questão é que estou na mesma situação delas. Todos nós somos pó, sujeitos às mesmas paixões, e se julgarmos o outro, então não seremos dignos de perdão algum.

A verdade é uma só: ninguém é o mesmo pra sempre. Os gostos mudam, sentimentos mudam, idéias mudam. O problema é o momento em que isto acontece. Com quem acontece. Onde acontece.

Eu errei. Apunhalei quem não deveria. Fiz tudo errado.

Deus, me perdoe.

LER JÁ!

Desde pequena meus pais me incentivaram a ler. Sempre tive aqueles “mini-livrinhos” ilustrados para crianças e me lembro, como se fosse hoje, de quando ganhei minha primeira Bíblia ilustrada. Li inteirinha e adorei! Lembro também da estante enorme que meus pais tinham na sala – aquelas muito antigas, sabe? – onde a maioria das “prateleiras” era composta por livros e coleções da Bíblia, entre tantos outros “manuais” e “guias” de estudo. Depois de muitos anos, ouvi um psicólogo dizer que é importante os pais deixarem bastante livro no alcance de suas crianças, para que estas tomem “gosto” pela leitura; Disse também que a leitura em família – pais e filhos – é de suma importância nesse processo de incentivo. E que bênção! Mesmo sem esta instrução, meus pais usaram este método “inconscientemente”, o que surtiu um enorme efeito na minha vida. Graças a eles, um dos meus maiores hobbies é a leitura.

Há alguns dias entrei no meu quarto para organizar minhas coisas antes de dormir. Tirei alguns livros da faculdade que estavam na beirada da cama e, ao olhar para a cômoda, vi um livro chamado “Dias melhores virão”, de Max Lucado. Achei o título interessante, mas juntei com meus outros livros e fui dormir. Hoje – quatro dias depois do ocorrido – olhei para o livro e senti uma vontade de ler enorme. E assim foi: comecei a leitura pela manhã, enquanto vinha para o trabalho. Tive tempo de ler apenas 52 páginas, mas já de início adorei. É uma espécie de “auto-ajuda” religioso, o que faz a leitura valer muito a pena!
Deixarei abaixo a sinopse do livro.

Deus vos abençoe.

O que fazer quando perdemos o emprego, nosso casamento termina ou quando perdemos amigos e entes queridos? A espiritualidade cristã nos responde dizendo que Deus não recua diante de nossos problemas. Mesmo quando estamos feridos, Deus se faz presente. Ele sempre está no controle da situação, nos acompanhando até a chegada de dias melhores.

No entanto, quando tragédias graves e perdas incompreensíveis ocorrem, tendemos a ficar tristes, irados, e a desejar vingança. É comum, nesses momentos, surgirem perguntas como: Por que Deus permitiu esta atrocidade? Como Deus pode fazer surgir algo bom desta tristeza? Como acreditar em Deus em meio a tanto sofrimento?

Neste livro, vamos encontrar as respostas para as angústias que temos quando nada parece dar certo. Vamos descobrir que Deus está sempre no controle da nossa história de vida e que o melhor ainda está por vir.

Muitas vezes, em minhas orações, pedi a Deus que me mostrasse o caminho que deveria seguir, que Ele me iluminasse, me desse sabedoria e, não foram poucas as vezes que parei e me perguntei: “Será que, em meu lugar, Jesus faria assim?”. Me lembro que, durante a minha infância, ouvi meus pais dizerem a respeito de um livro chamado “Em meus passos, o que faria Jesus?” (Charles M. Sheldon). Por curiosidade, tratei de folhear algumas páginas – embora minha mente infantil não compreendesse aquelas palavras – e nunca mais me esqueci do título daquele livro, e de sua mensagem principal: antes de tomar qualquer atitude, pare e reflita: será que Jesus faria assim? Será que Ele diria a mesma coisa que estou a dizer? Ou: será que Ele tomaria esta decisão? Certamente, se refletíssemos desta forma, a resposta que encontraríamos para muitas destas perguntas seria: “Não! Jesus não faria assim”. Conseqüentemente, assumiríamos uma melhor postura de servo, errando menos e atingindo o nosso Alvo, que é Cristo. Mas para isto, é necessário que estejamos dispostos a ouvir e obedecer a Deus, deixando de lado tudo aquilo que possa nos desviar de Sua vontade.

Em 2 Tim 4:1-5 Paulo ordena a Timóteo que ele pregue a Palavra em todo o tempo. Ele também exorta a respeito do tempo que viria, tempo este em que as pessoas não iriam dar atenção ao verdadeiro ensinamento, mas seguiriam os seus próprios desejos, arranjando para si uma porção de mestres, para dizer  a elas o que querem ouvir. E finaliza dizendo que ele (Timóteo) deveria ser moderado em todas as situações, suportar o sofrimento, fazer o trabalho de um pregador do evangelho e cumprir bem o seu dever de servo de Deus. Mas como saber se estamos ou não cumprindo corretamente o nosso dever de servo? Para tanto, é necessário que saibamos quatro coisas:

1. Um servo deve apresentar-se a Deus aprovado (2Tim 2:15).
Um servo aprovado é aquele que não tem do que se envergonhar;  que apresenta suas vestes limpas, sem mácula ou rugas (Ef.5:27).
2Tim 2:14 – O servo aprovado foge de contendas.
Deus não se agrada de pessoas que se envolvem em confusão, que promovem contendas. Em Provérbios 6 – versículos 16-19, a Palavra do Senhor diz  que existem seis coisas que Ele odeia, e a sétima a sua alma abomina: 1ª) Olhos altivos; 2ª) língua mentirosa; 3ª) mãos que derramam sangue inocente; 4ª) O coração que maquina pensamentos perversos; 5ª) pés que se apressam a correr para o mal; 6ª) A testemunha falsa que profere mentiras; e 7ª) o que semeia contendas entre irmãos. Deus abomina aqueles que semeiam contenda. Sendo assim, um servo aprovado deve fugir de qualquer situação que o envolva em contendas, não dando lugar ao diabo.
2Tim 2:16 – O servo aprovado não se deixa levar por falatórios profanos.
O salmista Davi declara que o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, que não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores, este é bem-aventurado. Todos os dias nos vimos rodeados por pessoas ímpias e que não têm nenhum temor de Deus; somos “envolvidos” em piadas, conversas profanas e “sujas”.
Por algum tempo convivi com uma certa pessoa que, todos os dias e “incansavelmente”, tentava me envolver em conversas que não convém a um servo de Deus participar. Por diversas vezes tentei ignorar; por outras, apenas ouvi – pois se tratava de alguém “superior” a mim. Mas um dia senti o Espírito Santo falando ao meu coração, pois aquela minha atitude omissa não estava Lhe agradando. Tratei de falar àquela pessoa a respeito de Jesus, até que ela passou a me “ignorar” e declarou com sua boca que “odeia religião”, e todas aquelas coisas que ímpio fala quando não tem argumento contra a Palavra de Deus. Mas hoje tenho a consciência limpa, pois falei a verdade – embora aquela pessoa não tenha deixado seus falatórios profanos. No mês que sucedeu o ocorrido, Deus me tirou daquele lugar, e hoje posso desfrutar de bênçãos muito maiores. Aleluia!
2Tim 2:23,24 – O servo aprovado rejeita as questões loucas.
Sabemos bem que uma pessoa que está envolvida com o mundo não têm condições de  discutir a respeito da Palavra de Deus. Aliás, tudo o que vira discussão gera contenda. E como já sabemos, Deus abomina a contenda. Por isso, nunca discuta com o ímpio sobre questões religiosas, tais como dízimos e “costumes” (chamados “doutrina”). Tudo o que o ímpio deve saber é que o caminho em que ele se encontra é de morte, e que Jesus o ama e morreu para salvá-lo.
1Tess 5:12,13 – O servo aprovado é sujeito ao seu líder.
Havia um certo jovem que trabalhava de vendedor em uma loja de Materiais para Construção. Certa vez, foi pedido àquele jovem que buscasse uma determinada quantia de tijolos. E ele se achou no direito de recusar, já que ele era graduado em administração. Mas vejamos: ele foi admitido para aquele tipo de serviço, e portanto, não cabia à ele questionar sobre seu diploma, já que ele próprio optou por trabalhar lá. Muitas vezes dentro da Igreja, algumas pessoas se sentem “boas demais” para ajudar na limpeza do templo, para repor os copos que acabaram,  ou então organizar algo que está fora do lugar. E pensam: “Ora! Eu sou o Fulano de Tal! Isto não cabe a alguém, importante como eu, fazer!”, enquanto o próprio Jesus disse que o menor é o maior no Reino de Deus (Mt.18), e se colocou no lugar de servo, daquele que lava os pés do próximo e serve a mesa. Se nós, como seres humanos, não podemos estar sujeitos aos nossos líderes – que são enviados por Deus para nos instruir e orientar – quanto menos estaremos sujeitos a Deus.

2) Um servo sofre as aflições (2Tim 2:3).
Tive uma amarga experiência e pude sentir na pele o que é sofrer aflição. Fui “fustigada” injustamente por algum período, mas não me deixei esmorecer. O ímpio me fustigou com ferro, mas em tudo dei graças a Deus. Tentei, por hora, revidar e expor a minha situação. Mas quando me calei, Deus tomou a frente. E minhas lágrimas não foram em vão. O próprio Jesus disse que seríamos odiados de todos  por causa do Seu Nome, e declara que “aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt.10:22). Contudo, saiba que “muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas” (Sl 34:19).

3) Um servo foge dos desejos da mocidade (2Tim 2:22).
A Bíblia relata a história de um jovem rico que, por cumprir alguns mandamentos,  seria salvo. E ao ouvir de Jesus que ele deveria abrir mão de sua riqueza, o tal jovem se entristeceu muito (Mt.19:16-22). Sabemos que jovem gosta de riquezas, festas, música, dança, passeios, lugares cheios de gente, shows, etc. Mas nem sempre estas coisas combinam com o “perseguir a vontade de Deus”.  Muitas destas coisas levam o jovem à perdição. Cabe ao jovem “lembrar-se do Senhor nos dias da sua mocidade” (Ec.12:1).
Certa vez, ouvi a história de dois jovens amantes que foram impedidos pelos pais de viverem juntos, pois um deles pertencia a uma classe social baixa. Depois de muitos anos, na velhice, os mesmos se reencontraram, e decidiram que, a partir daquele momento, viveriam todo o amor “perdido”. E agora eu lhe pergunto: será que aquele casal (de idosos, agora) poderão desfrutar de tudo aquilo que perderam, de tudo o que teriam vivido juntos na mocidade? E assim é com Deus: se deixarmos para segui-Lo apenas quando estivermos velhos, será que teremos o melhor de Suas mãos? Só iremos viver plenamente o melhor de Deus se O seguirmos enquanto temos vigor, e não quando a enfermidade bater à porta, ou quando os nossos dias estiverem chegando ao fim. E se não tivermos tempo? Nós não sabemos quando irá chegar a nossa hora, como àquele homem que disse à sua alma: “tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga”, sem saber que naquela noite pediriam a sua alma. Louco! (Lucas 12:16-20). É com lágrima que levaremos a preciosa semente. “Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade. Assentar-se solitário e ficar em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele” (Lam.3:27,28).

E pra finalizar:

4) Um servo nunca nega a Cristo (2Tim 2:11,12).
Ouvi a história de um certo rapaz que nascera em uma família católica. Seus pais sempre deixaram tudo a disposição dele e de sua irmã, e prometeram apoio financeiro enquanto vivessem – DESDE QUE não abandonassem suas tradições religiosas. O tempo passou, aquela família possuía certo “poder monetário”, e ao conhecer sua esposa, seus pais descobriram que aquela jovem vinha de uma família evangélica, sendo uma boa serva de Deus. Algum tempo se passou, e eles decidiram se casar. Seus pais o instruíram para que não se deixasse levar pelos conselhos da moça, e reforçou que dariam a ele casa e o apoiariam no que fosse preciso, mas se ele deixasse o catolicismo, tirariam dele todos os benefícios – inclusive a própria casa onde o rapaz moraria com a esposa, tivessem eles filhos ou não. Mas chegou o dia em que aquele jovem, de fato, teve um encontro com o Senhor, e decidiu por entregar a sua vida à Ele. Quando seus pais souberam, trataram de contratar um advogado para então, deserda-lo de toda a herança. No dia em que todos deveriam comparecer para assinar os documentos, aquele advogado (incomodado por Deus, eu creio), resolveu conversar com aquela família, para que todos pedissem perdão uns aos outros, pois embora aquele filho tivesse trocado de religião, ele continuaria sendo um bom homem e, acima de tudo, um bom filho. E aquele senhor (pai do rapaz) concordou em deixar de lado aquele processo, mas impôs uma condição: o filho teria que pedir perdão. E assim foi: como um servo humilde que era, aquele jovem se aproximou em lágrimas e pediu perdão para o pai que, imóvel, manteve-se calado. Aquele advogado se aproximou e disse: “mas sr. ‘Fulado’, abrace seu filho! Diga que o perdoa…”. E aquele senhor: “tudo bem, filho! Eu te perdôo, desde que você declare que Maria tem poder.”

Diante desta situação, o que você faria? Pensar que, se escolher a Cristo, você estará prestes a perder o amor de seus pais, irmãos, e familiares… Qual seria a sua escolha?

E aquele jovem, temente a Deus, olhou para o seu pai e disse: “Pai, somente Jesus tem poder! Maria teve seu papel importante na Bíblia, mas a minha adoração é somente ao Senhor. Jesus tem poder! Só Ele tem poder, pai!”
Neste momento, aquele senhor – pai do jovem – virou-se para o advogado e disse: “Dr., vamos dar andamento nos documentos”. E aquele advogado, temente a Deus – embora não fosse crente – deixou imediamente o caso: “O senhor não merece o filho que tem. E um pai que se preza, ama o filho acima de qualquer coisa. Ainda que este filho seja um usuário de drogas ou um marginal… Quanto mais se ele for um homem bom, decente e honesto, como o seu filho. Procure um outro advogado!”.
Soube, por este mesmo advogado, que em alguns dias aquele senhor o procurou novamente, tendo o seu pedido negado pela segunda vez. Depois do ocorrido, ele nunca mais teve notícias do caso.

E como eu me alegro com histórias de fé e amor a Cristo como esta! Imagino que há festa no céu quando um crente age da maneira como este jovem agiu. E que você, como na história que acabamos de ver, nunca troque o amor de Jesus por bens materiais, família, amigos… Há uma recompensa muito maior nos aguardando no Céu!

Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus.
Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.
Mateus 10:32,33

Que possamos correr a carreira que nos está proposta, nos apresentando a Deus aprovados, sofrendo as aflições, suportando a afronta,  e fazendo a Obra de um evangelista. Sabendo que, em tudo, Deus nos dará capacidade (2 Co 3:5,6) e virtude (Atos 1:8), e se, sobre a Sua Palavra, lançarmos as redes, Ele irá nos suprir (Lc 10:19).

Graça e Paz,
KAREN

Durante o mês de Julho toda minha família esteve ausente da Igreja, pois haviam algumas pendências que deveriam ser resolvidas naquele período. Determinei em meu coração que continuaria freqüentando os cultos, ainda que “sozinha”. Neste mesmo período, senti que deveria atender o “ide” do Senhor, pois como já sabemos, fomos chamados para apregoar as Boas Novas do Evangelho; devemos “ir à todo o mundo e pregar o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15). Me lembrei que durante um período muito difícil da minha vida eu havia feito uma “aliança” com Deus, e prometi à Ele que falaria a Sua Palavra àqueles que deveriam ouvir sobre Jesus, o preço de Seu sangue derramado na cruz e a redenção; Prometi que pregaria instes a tempo e fora de tempo (2 Tim 4:2), e aquele era o momento. Em um determinado culto, o Senhor falou comigo a respeito do Salmo 40, pois eu andava impaciente e deveria aprender a esperar em Deus. Naquela mesma semana falei com os dirigentes da Igreja, que determinaram que, na próxima semana, eu seria a responsável por trazer a Palavra do Senhor. Iniciou-se, então, mais um Chamado de Deus em minha vida.

Sempre tive em mente a responsabilidade que há nos ombros daqueles que são chamados por Deus. Assim como o apóstolo Paulo, devemos saber que “coitado de nós, se não pregarmos o evangelho” (1 Co 9:16). Deus nos chamou para uma missão e, a partir do momento em que entregamos nossas vidas para Jesus, entregamos a Ele nossos planos, projetos, sonhos e, acima de tudo, nosso “livre arbítrio”. E a partir daí, não podemos recusar o mandado do Senhor.

Muitas vezes, “realizar a vontade de Deus” envolve espera, coisa difícil para o ser humano, que costuma querer tudo para agora. Eu, particularmente, tenho muita dificuldade em esperar; na maioria das vezes estive correndo: corria para pegar o ônibus – já que detestava ficar no ponto esperando; corria para chegar logo em um determinado lugar, pois caminhar significava o dobro do tempo – o que era uma tortura; riscava no calendário os dias quando queria que um determinado dia chegasse; enfim… Levei uma vida turbulenta por muitos anos, já que “esperar” sempre foi um grande desafio para mim. Finalmente o “dia do Senhor” chegou, e me foi pedido ESPERA; Deus falou comigo no Salmo 40, já que andava impaciente, e desta maneira, Ele não poderia realizar Seus planos em minha vida. Me recordei que há aproximadamente três meses “quebrei” o período de espera, me precipitei e joguei todo o projeto de bênção de Deus em minha vida pelo “ralo”. E foi exatamente isto que enfatizei na mensagem daquela noite: a espera em Deus e as conseqüências da impaciência.

No início deste ano propus em meu coração que enquanto não fosse da vontade de Deus, não colocaria em ação determinado sonho. Fui educada na presença do Senhor, e meus pais sempre me disseram o que é certo ou não conforme a Bíblia. Todo ser humano foi criado segundo a vontade de Deus; do Senhor viemos e para Ele voltaremos, portanto devemos dedicar nossas vidas em prol da Sua vontade, pois a vontade de Deus é perfeita e se seguirmos seus planos, tudo tende a dar certo. Quando fiz aquele propósito com o Senhor, estive consciente de que o tempo de Deus não é o nosso tempo, portanto poderia se passar um ano, dois ou dez anos sem que Suas promessas se cumprissem, mas eu deveria esperar em Deus. Foi assim com Abraão, quando Deus prometeu que faria dele uma grande nação. O tempo se passou, sua mulher Sara não gerava filhos, e, assim como Abraão, passamos a duvidar das Promessas de Deus, já que somos infiéis. Contudo, ainda que sejamos infiéis, o Senhor permanece fiel (2 Tim 2:13). Aleluia! E comigo não foi diferente: me esqueci do que prometera à Deus, assim como da Sua Palavra: “Esperei com paciência no Senhor,  e Ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor”. Deixei a paciência e a espera de lado, e resolvi fazer o que me convinha. Entretanto, quando resolvemos “passar a carroça na frente dos bois”, não nos lembramos que todos os nossos atos resultam em conseqüências; conseqüências estas que podem gerar “seqüelas” para a vida toda. Voltando à Abraão, sabemos que ele tomou para si uma concubina, Agar, e com ela Abraão teve um filho chamado Ismael. Abraão tentou cumprir o plano de Deus por si só, do jeito dele, já que ele e sua esposa estavam velhos, e acreditavam que talvez o Senhor tivesse se esquecido de Sua Promessa. Mas será isto possível, que o Senhor possa se esquecer daquilo que prometeu? De maneira alguma! “O céu e a terra passarão, mas as palavras do Senhor não hão de passar” (Mt 24.35; Mc 13.31). Todas as promessas que Deus fez se cumpriram, e assim também será em nossas vidas. Mas para que isto aconteça, devemos saber (e colocar em prática) cinco princípios:

1. A vontade de Deus é sempre boa.
Devemos compreender qual é a vontade de Deus para nossas vidas (Ef. 5:17). Deus tem um projeto específico para cada um, e se compreendermos qual é a Sua vontade, caminharemos a fim de fazê-la se cumprir em nós. Contudo, sabemos identificar qual é a vontade Dele quando esta é boa, conforme Romanos 12:2: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Quando o Senhor está envolvido, podemos passar por momentos difíceis que nos levarão ao cumprimento de Sua vontade, mas estaremos seguros de que nada poderá impedir que experimentemos a nossa vitória. Mas devemos ter em mente o fato de que Satanás é astuto, e que devemos estar firmes contra suas ciladas (Ef. 6:10,11). Muitas vezes nos serão apresentadas “boas” propostas, mas em tudo devemos pedir confirmação ao Espírito Santo, para saber se isto provém ou não de Deus. À primeira vista, os “manjares” do inimigo parecem muito bons aos nossos olhos, mas o seu propósito é unicamente “estragar” e “retardar” os planos do Senhor, já que o Senhor não retarda a sua promessa (ainda que alguns a têm por tardia) – 2 Pe 3:9. Saiba que o único ser em todo o Universo que pode impedir os planos de Deus é VOCÊ mesmo. Satanás oferece suas falsas propostas, cabe a você recusá-las e optar por esperar a boa vontade de Deus.

2. Persigamos a vontade de Deus.
Para perseguir a vontade Deus, devemos nos transformar. Assim como um borboleta, só estaremos aptos a fazer a vontade de Deus se passarmos por uma metamorfose, por uma transformação total e completa. Primeiro, devemos nos entregar completamente à Deus, oferecermos à Ele corpo e alma. A partir daí, permitimos que o Senhor renove a nossa mente, pois isto só nos é possível se entregarmos nossas vidas à Ele. Além disso, devemos procurar ouvir a voz do Senhor, para então perseguirmos a Sua vontade. O próprio Jesus disse que as Suas ovelhas ouvem a Sua voz (Jo 10:27). Somos ovelhas do seu pasto (Salmo 100:3), e por isso reconhecemos a voz de Deus, nosso Pastor. E a Sua voz se torna cada vez mais audível em nossos corações a partir do momento em que O buscamos todos os dias. Daniel orava três vezes ao dia, e é um exemplo vivo de alguém que ouvia a voz do Senhor e obedecia. Daniel sabia qual era a vontade de Deus em sua vida, por isso ele não se envolveu com as situações externas; Daniel foi um homem mui amado por Deus, pois ele guardava em seu coração os princípios do Senhor, e se colocava na Sua disposição por completo, perseguindo sempre a vontade de Deus. Assim como Daniel, quanto mais tempo buscarmos o Senhor, mais intimidade teremos com Ele. Assim, será mais fácil reconhecer a direção certa, por onde seremos dirigidos a fim de experimentar Sua boa, perfeita e agradável vontade.

3. Aprenda a ouvir a voz de Deus.
Deus fala conosco de muitas maneiras. Assim como citei anteriormente, aqueles que O servem, devem ter intimidade com Ele a fim de que possam reconhecer facilmente a Sua voz. Deus fala com os seus servos de muitas maneiras. Sejam elas através de sonhos, da Sua própria Palavra (Bíblia) ou através de seus servos, os profetas. Independente de como o Senhor possa nos falar, só poderemos ouvir a Sua voz se tivermos o coração e a mente abertas. Se a nossa vontade estiver imperando, o Senhor deixará de nos guiar segundo os Seus planos, pois já estaremos determinados a seguir nossos caminhos. Como sabemos, os caminhos do homem não são os caminhos de Deus (Isaías 55:8); aprenda a compreender e ouvir a voz do Senhor, pois Ele tem o melhor para aqueles que são Seus filhos. Tudo o que o Senhor nos faz é em resposta àquilo que pedimos em oração, na nossa intimidade com Deus. Mas a forma como Ele irá nos responder, é Ele quem decide. E dentre as muitas formas, citarei (a seguir) quatro delas, das quais já experimentei – e tenho experimentado.

a) Deus fala através de Sua Palavra.
Muitas vezes em minha vida, antes de tomar qualquer decisão, eu dobrei meus joelhos e pedi a Deus que me direcionasse conforme a Sua vontade. Na maioria das vezes abri a Bíblia e o Senhor me direcionou à um determinado versículo, me mostrando exatamente aquilo que deveria fazer. O salmista Davi declara em Salmos 29:4 que “a Palavra do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa”, e tenho tido prova disto todos os dias, quando medito na Palavra de Deus. Todas as vezes que lemos a Bíblia, Deus nos dá uma nova interpretação de cada Palavra ali dita; Ele é um Deus dinâmico, e até mesmo Suas misericórdias se renovam a cada manhã (Lam 3:22,23). Embora Ele tenha falado com Seu povo no passado usando exatamente as mesmas palavras presentes na Bíblia, tais palavras se encaixam perfeitamente em nossa situação atual, ainda que as circunstâncias sejam diferentes.

Um exemplo Bíblico de alguém que Deus falou através de Sua Palavra é Daniel, quando ele compreendeu através das Escrituras (leitura de Jeremias), que a desolação de Jerusalém iria durar setenta anos – conforme Dan 9:1,2. E assim, Daniel compreendeu qual era a vontade Deus. Se olharmos as Sagradas Escrituras, veremos que Davi inicia o livros dos Salmos citando sobre a “bem-aventurança” daqueles que servem à Deus, e a característica principal de um servo bem-aventurado é aquele que “medita na lei do Senhor de dia e de noite” (Salmos 1:2). Me lembro que durante o período em que estive estudando para o Vestibular, passei a ler muitos livros de diversos autores. Estudava e lia quase o dia todo, até que o Senhor falou claramente comigo para que eu meditasse apenas na Sua Palavra. Eu estava deixando de lado a Palavra do Senhor, pois caso contrário, não daria conta de ler os tantos livros que eu achava necessário para se ter um bom desempenho naquele Vestibular. Muitas vezes deixamos de lado a vontade de Deus, por achar que as nossas necessidades são superiores aos planos Dele, ao passo que nenhuma situação – por mais embaraçosa que pareça – pode nos separar do amor de Deus (Rom 8:38,39) e de Sua vontade. Naquele mesmo dia, pude compreender que a graça do Senhor me bastava (2 Co 12:9), e passei a meditar nas Suas Escrituras de dia e de noite. Como resultado do meu empenho, perseverança e compromisso com Deus, em Fevereiro de 2009 pude contemplar a misericórdia do Senhor mais uma vez em minha vida, quando meu nome estava presente na lista dos aprovados no Vestibular Comvest (UNICAMP). Desta forma, pude compreender que aqueles que buscam, esperam e confiam no Senhor comem sempre o melhor de Suas mãos.

b) Deus fala através de Sonhos e Visões.
Na Bíblia há muitos exemplos de homens a quem Deus revelou a Sua vontade através de sonhos ou visões. Um destes casos – e o meu preferido – é o de José. Deus revelou a José todos os Seus planos através de sonhos, e por isso ele se manteve firme, confiando e esperando sempre em Deus. E por mais dura que fosse a realidade, José soube colocar nas mãos do Senhor seus anseios e desejos, sua vida e suas vontades; Ele permaneceu fiel na presença do Senhor, ainda que vendido por seus irmãos ou preso, acusado injustamente pela mulher de Potifar. José não deixou seu coração esmorecer; ele confiava no Senhor e se apartava do mal. Todas as Promessas de Deus reveladas a José foram cumpridas, pois ele tinha, acima de tudo, intimidade com Deus e a Sua Palavra, podendo, assim, compreender Sua perfeita vontade.
Outra prova na Bíblia de que Deus fala através de sonhos e visões é Paulo. Logo no primeiro encontro com Jesus, Paulo pôde experimentar das visões de Deus (Atos 9). E mais tarde, após sua conversão, Paulo teve novamente uma visão do Senhor, quando ele havia planejado ficar e pregar em Jerusalém – pois Paulo achava que, por ser conhecido entre os judeus, ele poderia convencê-los à conversão. E o Senhor ordenou a Paulo que saísse imediatamente de Jerusalém, pois não aceitariam o seu testemunho a respeito de Jesus; Além disso, a vontade de Deus era enviá-lo aos gentios de longe (Atos 22:17-21). E como resultado da busca pelo Senhor e obediência Nele, Paulo teve sua vida completamente mudada, e o evangelho foi pregado por todo o mundo.

c) Deus fala através das circunstâncias.
Deus sabe a melhor maneira de revelar a Sua vontade aos Seus filhos. Por diversas vezes pedi confirmação à Deus através de Sua Palavra, mas não obtive resposta. Passados alguns dias, Deus me mostrou qual era a vontade Dele através das circunstâncias. Exemplo disto foi Eliezer, servo de Abraão, que orou e pediu ao Senhor que o guiasse na escolha de uma esposa para Isaque. Naquela situação, foi pedido a Deus uma prova, a fim de que Ele mostrasse qual moça, de fato, deveria ser a escolhida para Isaque (Gen 24:12-14):

Senhor, Deus de meu senhor Abraão, dá-me hoje bom encontro, e faze beneficência ao meu senhor Abraão!
Eis que eu estou em pé junto à fonte de água e as filhas dos homens desta cidade saem para tirar água;
Seja, pois, que a donzela, a quem eu disser: Abaixa agora o seu cântaro para que eu beba; e ela disser: Bebe, e também darei de beber aos teus camelos; esta seja a quem designaste ao teu servo Isaque, e que eu conheça nisso que usaste de benevolência com meu senhor.

E assim, Deus usou as circunstâncias para mostrar a Eliezer qual era a Sua vontade. E ela pôde ser cumprida na vida de seu servo, Isaque.

d) Deus fala através de profecias e dons do Espírito.
Muitas vezes Deus fala diretamente conosco, sem que use a Palavra, sonhos, visões, profecias ou circunstâncias, como foi o caso de Moisés, em que Deus falou diretamente, face-a-face, sem que precisasse de meios. Moisés foi um caso a parte, embora Deus continue falando diretamente com seus servos nos dias atuais, porém não face-a-face. Em muitas situações simples, como por exemplo, qual ônibus deveria tomar ou qual trajeto deveria fazer, Deus me orientou falando claramente em meu coração. Mas muitas vezes, em situações complexas, Deus falou comigo através de seus servos em profecia, como fez a Paulo – quando teve a confirmação de Deus a respeito de algo que ele próprio já sabia em seu coração, através de um profeta chamado Ágabo (Atos 21:10). Certa vez o Senhor me mostrou qual era a Sua vontade através de um sonho, mas como eu era ainda uma criança, não compreendi que aquele sonho era um plano de Deus revelado a mim. Sendo assim, Deus enviou uma pessoa que, através dos dons do Espírito, me revelou o significado daquele sonho. Porém, o que tem ocorrido nos dias atuais, é que algumas pessoas ficam desesperadas por uma resposta ou palavra de Deus; metade destas pessoas oram em um dia por algo específico – a outra metade sequer ora – e já esperam por uma resposta imediata. O que elas não sabem é que Deus tem Suas formas de trabalhar, e por não saberem esperar com paciência a resposta do Senhor, logo tratam de procurar seus meios, a fim de “forçar” o Senhor a dar-lhes uma resposta. Nessa busca, Satanás prepara falsos profetas a fim de que lhes dêem falsas palavras em nome de Deus. E a vida destas pessoas se transformam em um caos. Portanto, queira saber os três propósitos específicos da profecia: edificar sua fé, encorajar a seguir em frente e consolar para acalmar e confortar, conforme 1 Co 14:3.

Mas quem profetiza o faz para edificação, encorajamento e consolação dos homens.

Ainda assim, o melhor caminho para se alcançar a Promessa é a espera, busca e persistência. Aqueles que esperam com paciência em Deus, buscam a Sua face constantemente e persistem – assim como aquela mulher que “importunou o juiz” (Lc 18:1-8), alcançam a sua vitória. Mas se houver profecia, saiba que ela deve confirmar algo que você já sabe em seu coração. Além do mais, ela deve estar de acordo com as Escrituras.

4. Louve. Não murmure.
A Palavra do Senhor nos diz em 1 Ts 5:18 que em tudo devemos dar graças; ou seja, independente das circunstâncias,dos embaraços ou tribulações da vida, em tudo isso devemos louvar ao Senhor, pois Ele se agrada daqueles que Nele esperam sem murmurações e reclamações. Muitas vezes o salmista Davi escreveu sobre a espera no Senhor. Davi foi um homem segundo o coração de Deus porque ele tinha um coração quebrantado; Davi sabia reconhecer suas fraquezas e por isso se humilhava todos os dias perante a Face do Senhor, entregando à Ele seus anseios e desejos, e em nenhum momento levantou a sua voz para murmurar. Deus procura por homens como Davi; homens valentes e retos de coração, que se apartam do mal e buscam a Sua face. Será que estamos prontos a esperar pelas promessas do Senhor sem reclamações e murmurações? Muitas vezes pensamos que o Senhor se esqueceu de nós, mas Ele é longânimo para conosco, e não retarda a Sua promessa. Deus sabe o momento certo de agir, e sabemos que o nosso tempo não é o tempo de Deus, pois um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia (2 Pe 3:8).
Na própria Bíblia temos um exemplo claro de um povo que não soube esperar com paciência no Senhor; logo, se desviaram da vontade de Deus e passaram a murmurar e reclamar, não alcançando a vitória. Deus libertou o povo de Israel da servidão do Egito, mas ao conduzi-los pelo deserto, e diante das provações, se esqueceram rapidamente da promessa do Senhor e seguiram seus próprios caminhos. Como resultado disto, Deus os fez peregrinar por mais quarenta anos pelo deserto, até que toda aquela geração fosse exterminada, e não entraram na Terra Prometida (Num 14:33). Outro exemplo de desobediência foi o próprio Moisés: embora Ele tenha sido um instrumento da realização da vontade de Deus, em um momento de grande tribulação em sua vida ele murmurou e desobedeceu ao Senhor, ferindo a rocha duas vezes (Num 20:11), o que também fez com que ele não experimentasse das Promessas.
Iniciei esta mensagem citando a respeito de um propósito que guardei em meu coração, mas que logo me esqueci do que havia prometido e decidi fazer aquilo que, para mim, parecia mais “conveniente”. E como aconteceu com o povo de Israel, minha impaciência gerou mais “quarenta anos” de espera. Pela misericórdia de Deus, Ele refez comigo uma nova aliança e prometeu que irei alcançar a minha bênção, embora isto me custe um preço muito maior agora do que se eu já tivesse ouvido a voz do Senhor e esperado pela Sua vontade. Este é o preço que pagamos, pois embora Deus seja um Deus longânimo e perdoador, Ele é também vingador de nossos feitos (Salmos 99:8). Por isso vale muito mais esperar pela vontade do Senhor, pois Ele sabe o que é melhor para nós. “Entregue o teu caminho ao Senhor; confia Nele, e todo o restante Ele fará” (Salmos 37:5).

5. – e o principal: NÃO DUVIDE.
Saiba que Deus tem suas formas de trabalhar, e não cabe a nós questionar a respeito de Sua vontade. Acaso pode a criatura contestar com o seu criador? Ou a obra dizer do seu artífice: “Não me fez”; e o vaso formado dizer do seu oleiro: “Nada sabe” (Is 29:16)?
Zacarias duvidou da Promessa do Senhor, e como conseqüência, Deus o deixou mudo até que a Promessa se cumprisse (Lc 1:20). Da mesma forma, Abraão teve a Promessa por tardia, e procurou realizar a vontade de Deus a seu próprio tempo. Como conseqüência, o filho que lhe nasceu de Agar (Ismael), foi quem ascendeu o povo árabe – inimigos do povo de Deus até os dias de hoje. No tempo de Deus, Abraão experimentou as promessas; porém, o resultado de sua impaciência não lhe foi poupado. Da mesma forma nós, se tentarmos “ajudar” o Senhor, teremos sérias conseqüências. Nós somos pobres e necessitados, mas se colocarmos nossas dependências nas mãos de Deus, Ele cuidará de nós e nos será auxílio e libertador (Salmos 40:1,17).

Jamais duvide das promessas de Deus. Saiba esperar sempre, sem murmurações, sabendo indentificar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, perseguindo a Sua vontade, ouvindo a Sua voz, louvando sempre e o principal: jamais duvidar de Suas promessas. Somos filhos de Deus, escolhidos para a Sua Obra, e sobre nós há uma grande responsabilidade: levar a mensagem da cruz à todos os que estão perdidos. Somos representantes de Cristo e de Sua Palavra; somos soldados Seus e, assim como Paulo, devemos combater o bom combate e guardar a fé (2 Tim 4:7).
Prossiga para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Fil 3:14).

Graça e Paz.

Referência: Livro “Your Will, Lord not Mine”, de Benny Hinn – páginas 21,22, 27-30, 33-41 (usadas nos tópicos 1 à 3).

Existem momentos em nossas vidas em que as coisas saem exatamente da forma em que NUNCA planejamos. Sabemos que em tudo há um propósito. Deus nos permitirá apenas provações que podemos suportar. E se alguma coisa está saindo fora do nosso foco, devemos saber que absolutamente tudo é permissão de Deus.

Estou passando por um momento desses em minha vida. Dificuldades, medo, tristeza fazem parte da nossa caminhada na vida cristã. Servem apenas para nos amadurecer e fortalecer. Em tudo devemos saber que “Jesus ainda estará por perto”; Ele não nos deixará sós, nem nos desamparará…

Há pouco, pesquisando alguns grupos e letras de músicas na internet, acabei encontrando um grupo que, desde então, desconhecia: “Point of Grace”. E deixarei parte da letra, que falou muito alto em meu coração. É como um grito de socorro… mas não gritos vazios. A este, Deus ouvirá!

Things change, plans fail.
You look for love on a grander scale.
Storms rise, hopes fade
and you place your bets on another day.
When the going gets tough, when the ride’s too rough,
when you’re just not sure enough.
Jesus will still be there.
His love will never change,
Sure as a steady rain,
Jesus will still be there.
When no one else is true,
He’ll still be lovin’ you.
When it looks like you’ve lost it all
And you haven’t got a prayer,
Jesus will still be there.
Time flies, hearts turn,
a little bit wiser from lessons learned.
But sometimes weakness wins
and you lose your foothold once again.
When the going gets tough, when the ride’s too rough,
when you’re just not sure enough.
Jesus will still be there.
His love will never change,
Sure as a steady rain,
Jesus will still be there.
When no one else is true,
He’ll still be lovin’ you.
When it looks like you’ve lost it all
And you haven’t got a prayer,
Jesus will still be there.

As coisas mudam, os planos dão errado. Você procura um amor maior…
Chega a tempestade, a esperança acaba, e você acredita
que dias melhores virão.
Quando a vida está difícil, quando nada vai bem, quando você não tem certeza,
JESUS AINDA ESTARÁ POR PERTO!
Beijos,
Karen

Pensei em criar um post e logo me vieram à mente alguns temas. Entre eles, um me chamou a atenção: Viver os sonhos de Deus. Refletindo sobre isto, me lembrei de uma canção muito abençoada do Diante do Trono, que diz sobre como é bom sonhar os sonhos de Deus, viver Seus planos e conhecer a graça de pertencer à Ele. Que bênção! Este é um tempo muito maravilhoso em que tenho visto as Promessas do Senhor se concretizarem em minha vida. De fato, tenho vivido estas Promessas, assim como Abraão viveu.

Abraão foi um homem temente e fiel à Deus, e diante disto, o Senhor prometeu e deu à Ele um filho, o “Filho da Promessa”, fazendo dele uma grande nação. Assim como à Abraão, o Senhor também tem Promessas maravilhosas para nós, mas o que o Ele nos pede é fidelidade. Só tocaremos o coração de Deus se formos fiel, se estivermos dispostos a ouvir e obedecer a voz de Deus, assim como Abraão. Naqueles dias o Senhor lhe pediu seu único filho, e ele não negou. Ele estava disposto a obedecer, por mais duro que fosse o pedido, e isto agradou o Espírito Santo. O que você tem feito para alegrar o coração do nosso Deus? Quantas vezes você abriu mão de algo a fim de obecê-Lo? A recompensa pela nossa obediência é infinita! Por muitas vezes abri mão de prazeres da vida e optei por fazer a vontade de Deus, e até hoje tenho colhido os frutos.

Quando entregamos tudo ao Senhor e tratamos de obedecer à Ele, colocamos em Sua dependência nosso chamado, nossas vitórias e conquistas, nosso sucesso, nossas vidas. É muito melhor deixar que Ele nos dirija, pois só Ele pode nos conduzir por caminhos de sucesso. Deus quer dar à você as conquistas de Abraão; Ele tem pra você muito mais que um “Filho da Promessa”. E o que você deve fazer é negar a si mesmo, tomar a sua cruz, e sigui-Lo (Mc 8:34).

Se ainda hoje você ouvir a voz do Senhor, não endureça o seu coração (Hb 3:15). Negue-se a si mesmo; abra mão dos seus sonhos, dos seus planos, dos prazeres, da sua vida, de suas vontades! Deixe que Deus assuma a direção da sua vida e desfrute da graça que é pertencer à este Deus fiel!

Graça e Paz.